Em dezembro de 1530, cinco naus com quatrocentos tripulantes sob o comando de Martim Afonso de Sousa partiram de Lisboa rumo ao Brasil. A expedição, considerada um marco inaugural da colonização do país, foi registrada por Pero Lopes de Sousa, irmão de Martim Afonso, que o acompanhou na empreitada....

Diário de navegação
Pero Lopes e a expedição de Martim Afonso de Sousa (1530-1532)

autor:

Ricardo Maranhão e Vallandro Keating

projeto gráfico:

Antonio Kehl

acabamento:

 capa dura

páginas:

266

formato:

23 x 25 cm

ISBN capa dura:

9788578160746

patrocínio:

Banco Pine

 

apoio:

Ministério da Cultura

confira aqui o Clipping...

INDICADO AO PRÊMIO JABUTI 2012 NA CATEGORIA ILUSTRAÇÃO

 

Adotado pelo Projeto Leitura nas Salas de Aula, do FDE – Fundação para o Desenvolvimento da Educação do Estado de São Paulo

 

Em dezembro de 1530, cinco naus com quatrocentos tripulantes sob o comando de Martim Afonso de Sousa partiram de Lisboa rumo ao Brasil. A expedição, considerada um marco inaugural da colonização do país, foi registrada por Pero Lopes de Sousa, irmão de Martim Afonso, que o acompanhou na empreitada.

 

Fio condutor deste livro, o Diário de Navegação de Pero Lopes foi escrito no calor da hora e é um dos mais antigos relatos sobre o Brasil. Em tom documental, apresenta uma narrativa aparentemente técnica, marcada por observações astronômicas, com muitos números e cálculos de marinharia, típica de um homem que precisa da razão geométrica e matemática para encontrar algum sentido na infinitude do oceano que ele tem a coragem de enfrentar com seus insignificantes barcos de madeira.

 

No entanto, Pero Lopes é também um homem jovem, aventureiro e que participa do imaginário renascentista. Por isso, os fatos da vida invadem seu texto, contaminam seu racionalismo com exclamações de prazer estético, com temores frente ao mar desconhecido, com manifestações de espanto.

 

Assim, o Diário é mais que um registro da expedição colonizadora e dos primeiros anos do Brasil, além de um rico documento dos métodos de navegação; é também uma forma de nos aproximarmos do espírito da época que lançava jovens ao mar na esperança de conquistar o mundo.

 

O livro traz o relato de Pero Lopes na íntegra, mas a epopeia é também – e principalmente – descrita neste livro por meio de duas linguagens complementares: a do arquiteto e artista plástico Vallandro Keating, que produziu mais de cem ilustrações especialmente para a edição, recriando imagens do cotidiano da navegação, dos primórdios do nosso litoral e do encontro entre as culturas indígena e europeia; e a do texto do historiador Ricardo Maranhão que, por sua vez, contextualiza as peripécias dos exploradores lusitanos e recupera detalhes da expedição, oferecendo ao leitor a possibilidade de captar instantes decisivos da viagem e da época.

 

O leitor que embarcar nessa fascinante jornada encontrará combates navais, tribos indígenas, aventuras e maravilhas de nosso litoral, tal como era há quinhentos anos, o que lhe oferece a possibilidade de conhecer instantes decisivos da época e da viagem.

 

Vallandro Keating nasceu no Rio de Janeiro e reside em São Paulo desde 1962, quando ingressou na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, onde se formou. Entre seus principais trabalhos estão os murais feitos a convite de Oscar Niemeyer para o Memorial da América Latina e para o novo auditório do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, e para o Tribunal Superior da Justiça, em Brasília; na área urbana, o traçado das cidades de Alta Floresta e Paranaíta, no Mato Grosso; e os livros Caminhos da conquista – A formação do espaço brasileiro, em parceria com Ricardo Maranhão, e A viagem a Nápoles, de Sergio Buarque de Holanda, ambos para a Terceiro Nome, além de À bordo do Rui Barbosa, em parceria com Chico Buarque, e É gol, com Ignácio de Loyola Brandão. É professor de desenho arquitetônico na Escola da Cidade, em São Paulo.

 

Ricardo Maranhão é mestre em Ciências Sociais e doutor em História pela Universidade de São Paulo. Professor visitante ou palestrante em universidades do Canadá, França, Holanda, Alemanha e México, foi professor da Unicamp e leciona atualmente na Escola Superior de Gastronomia da Universidade Anhembi-Morumbi. Autor e/ou organizador de dezoito livros de História e de mais de cinquenta artigos em publicações especializadas nacionais e internacionais, é também autor de livros e artigos sobre Gastronomia e de Caminhos da conquista – A formação do espaço brasileiro, em parceria com Vallandro Keating, para a Terceiro Nome.

galeria: