OS INDESEJADOS

uma história de refugiados

no tempo do nazismo

autor:

Rubens Glasberg

Prefácio:

Fabio Koifman

Orelha:

Lourenço Dantas Motta

acabamento:

brochura

páginas:

200

brochura

COMPRAR

R$54,00

formato:

16 x 23 cm

ISBN brochura:

978-65-87618-13-5

ISBN e-book:

978-65-87618-14-2

DIGITAL

disponível

Nos terríveis anos do nazismo, Elisa Klinger e Hans Glasberg se conheceram num navio, a caminho do Brasil. Eles são dois dos milhares de judeus que compreenderam a extensão do perigo que corriam na Europa e não mediram esforços para sair do continente. Ela portava uma das centenas de vistos diplomáticos que o embaixador Luiz Martins de Souza Dantas concedeu para salvar vidas, contrariando diretrizes do Estado Novo; ele era uma das centenas de judeus salvos pelo acordo celebrado entre o governo brasileiro e o Vaticano para acolhimento no Brasil dos chamados “católicos não-arianos”.

 

Muitos anos depois de sua chegada no Brasil, Elisa registrou a memória do que viveu, ao contrário do que aconteceu com muitos judeus, que, compreensivelmente, preferiram silenciar sobre essa experiência tão traumática. Com isso, Elisa acrescentou algumas peças ao quebra-cabeça da História.

 

Neste livro, Rubens Glasberg fez mais do que apenas reproduzir a história dos seus pais, a partir do relato de sua mãe. Às memórias da família ele somou uma pesquisa de fôlego e a inseriu no contexto dos acontecimentos que marcaram a Europa no começo do século XX e culminaram no Holocausto. Mostrou o Velho Mundo desmoronando e sendo reorganizado com a força bruta da barbárie nazista; ressaltou o que o ser humano tem de pior, mas também a dignidade e a generosidade de muitos.

 

Trecho do prefácio de Fábio Kaufman

Professor de História da UFRRJ e autor de livros como Quixote nas trevas: o embaixador Souza Dantas e os refugiados do nazismo (2002), Imigrante ideal: o Ministério da Justiça e a entrada de estrangeiros no Brasil 1941-1945 (2012) e Raymundo Souza Dantas: o primeiro embaixador brasileiro negro (2021).

 

“Rubens Glasberg fez mais do que apenas reproduzir a história dos pais dele. Extremamente zeloso e fiel às fontes orais, não as publica de maneira acrítica. Aplica ao que recolheu o trato metodológico adequado, empreendendo uma pesquisa de fôlego, contextualizando e interpretando de maneira analítica o que registrou e escutou e fazendo, por fim, um trabalho de rara qualidade.

 

O autor dessa obra oferece aos leitores um livro de historiador e aos estudiosos do tema um trabalho de excelente nível. A publicação transcende em contribuição ao conjunto de registros de memória familiar que eventualmente são publicados. É um livro para figurar nas estantes junto aos bons livros de História.”

 

Trecho da orelha do livro, por Lourenço Dantas Mota

Jornalista, editor por mais de 50 anos de política no Estadão, editorialista do Jornal da Tarde
e depois no Estadão e organizador de importantes lançamentos e coleções tanto pelo Estadão como pela Editora Senac.

 

Essa análise e esse entendimento fazem com a que a história dos Klinger e dos Glasberg, reconstituída com minúcia e rigor, esteja sempre inserida no drama que viveu o mundo nos anos 30 e 40 do século passado. A fuga para o Brasil dos Klinger, vindos da Áustria via França e Portugal – mais movimentada e documentada por causa das memórias de Elisa, mãe do autor, retrabalhada por ele –, mas também de Hans Glasberg, vindo da Alemanha via Itália e Portugal, é documento cuja importância transcende o interesse da família. (...) [Mostra] a tenacidade e o sofrimento dos Klinger e Glasberg e a coragem dos que – o autor faz questão de salientar – lhes estenderam a mão, de personagens anônimos ao embaixador brasileiro na França, Luís Martins de Souza Dantas. Uma história a ser lida e pensada.”

 

Sobre o autor:

Rubens Glasberg é jornalista profissional há mais de 50 anos, com passagens pelas redações do Estadão (editor de Internacional), Folha (editor de Política) e Exame (editor de Informática), além das extintas Gazeta Mercantil e Jornal da República. Colaborou também na Carta Capital. Nos anos 1990, criou sua própria editora, a Converge, lançando diversas revistas dirigidas aos negócios de TV, vídeo, cinema, telecomunicações, mobilidade e TI. Hoje todas elas são serviços eletrônicos diários de informação. Rubens retirou-se da empresa, deixando-a para seus editores. Pesquisou durante vários meses e escreveu este livro.

Rubens Glasberg reúne em livro memórias de uma geração
que conheceu de perto o lado mais cruel
e desumano da humanidade...